quarta-feira, 19 de março de 2014

Ao pai

19 de março de 2014.
Dia de São José.
Dia do Pai em Portugal.
O primeiro dia do Pai do pai da Malu.
O José.

Então hoje, deem-me licença, vou falar ao pai.

Naquela altura do enamoramento, creio que ainda na época online, peguei-me pensando: "O José daria um bom pai". Não disse a ninguém. Guardei a constatação. Não que eu estivesse já cogitando, não que fosse um plano para tão breve. Apenas pensei. Pensei porque não me lembro de conhecer alguém tão preocupado com o outro, tão atento se estamos bem, se precisamos de algo. E já agora não consigo mais definir porquê pensei. Apenas pensei. 

Muitas vezes nesse meio tempo, as coisas estiveram confusas. Quando isso acontece, tento sempre lembrar do que me disseste um dia: "Vou enrolar teu cabelo para tudo continuar  funcionando". Nem precisa, amor, nem precisa. Basta você chegar. Toda vez que te vejo caminhando em minha direção, sei que as coisas vão ficar bem.

Mas aí estou falando do José "amor". Entre o pensamento que guardei e o José pai, levou tempo. Levou o tempo da Malu. Levou o tempo de analisar o valor da taxa de beta HCG. Levou o tempo de ir a cada consulta do pré natal. Levou o tempo de ouvir um coração bater, um coração feito por nós os dois. O tempo de frequentar aulas de preparação para o parto. O tempo de pesquisar e aprender sobre o parto, pesquisar e aprender sobre como cuidar de um bebê. O tempo de escolher um nome, de preparar a casa, a vida. O tempo de segurar a minha mão durante as contrações, de fazer piada entre uma e outra. O tempo das noites em claro, de saber se é normal o recém nascido respirar assim. O tempo de aprender o nosso jeito, descobrir as nossas formas. Levou o tempo de ver o amor multiplicar, crescer e fazer rir. O tempo. Levou o tempo que o tempo tem e que terá.

Não há nada que eu queira te dizer hoje que também não queira dizer outros dias. A Malu está muito bem de pai. Tem um pai que não ajuda. Tem um pai que faz. Um pai que é pai, que tem papel de pai. Um pai que paterna e não apenas assiste a mãe maternar. Malu tem um pai. Malu tem O pai e eu tenho sorte de ter  vocês os dois.

Feliz todos os dias de pai, neguinho

9 comentários:

  1. Que melhor maneira de celebrar este primeiro dia do pai do que ter um post lindo e ternurento totalmente dedicado à minha pessoa? :)) Obrigado, amor, por palavras tão extraordinárias, bem mais extraordinárias do que algum dia poderei ser. Mas é assim mesmo. O amor é assim também. :) Amo-te. Amo-vos. :*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pudera eu conseguir resumir esses 6 meses e tal da tua paternagem com as palavras! Impossível. Fica pela tentativa. Uma mera tentativa de registar a minha admiração e agradecimento pela parceria. <3

      Eliminar
  2. Vou ali lavar os meus óculos molhados...

    ResponderEliminar
  3. Own, que lindo!!
    Parabéns pelo dia do Pai, José!! Parabéns pelo pai que és, de forma tão bonita, pra Malu. Isso vale pra vida toda.

    Naruna, belas palavras, amiga, como sempre, né?!

    Família linda, essa de vocês.
    Beijo beijo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Brigada, amigaaa! <3

      Ele merece, Mari. Merece cada sílabazinha bonita, apesar de nem ser suficiente. A gente tenta...e a Malu agradece!


      Beijooos!

      Eliminar
  4. Não sabia dessa até ser pai... Um amigo em disse sobre o dia e vim aqui pensando que sua esposa havia escrito algo. Parabéns aos três... Privilégio dos três... Bênção da vida. Feliz dia, José!

    ResponderEliminar
  5. Posso te contar uma coisa? Chorei lendo o seu post. Pronto, falei. Foi dia dos pais em vários paises, dia de São José. Feliz dia dos Pais ao José e a todos os pais! E que cada vez mais os pais não ajudem, mas façam.
    Beijo, Rita

    ResponderEliminar
  6. Mas esse José me dá muito orgulho mesmo <3

    ResponderEliminar